quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Sobre A Violência Por Causa Do Futebol Em 6 De Dezembro De 2009


Dia 6 de dezembro de 2009, um domingo, houve o seguinte jogo no Estádio Couto Pereira em Curitiba: Fluminense X Coritiba. Lá houve empate e o time da casa foi rebaixado. Isto causou revolta em certos torcedores e iniciou uma confusão, onde pessoas invadiram o campo e começaram a jogar objetos na polícia, dentre eles os bancos dos reservas. Fora do estádio a balbúrdia prosseguiu, os vândalos quebraram automóveis e continuaram jogando objetos nos guardas. Um amigo meu, que observou tudo, viu um grupo de torcedores roubar uma máquina de cana de açúcar para atirar em outras pessoas.
O problema é que, quando um político sugeriu uma carteira de identificação de torcedores obrigatória, para que eles entrassem nos estádios, muitas criaturas torceram o nariz. Isso serviria para inibir grande parte da violência. Pois os dados cadastrais, junto com as fotos dos torcedores, ficariam num sistema digital, o que facilitaria a identificação de algum infrator.
Outra solução seria implementar as mesmas medidas que a Inglaterra adotou com os seus torcedores arruaceiros, apelidados de “hulligans”. Lá foram tomadas as seguintes providências :
- Cadastro obrigatório de torcedores.
- Treinamento especializado em violência de torcida oferecido aos policiais e demais autoridades.
- Proibição de menores de 21 anos nos estádios sozinhos. Menores só acompanhados pelos pais.
- Punições severas, com prisões e pagamento de multa, para os vândalos.



Luciana do Rocio Mallon

5 comentários:

Karime disse...

Lu,é ridículo o nível de violência e imaturidade (sim, imaturidade) que os homens demonstram por causa do fanatismo exagerado por seu time, quando na verdade, a confraternização em um estádio de futebol, deveria ser saudável e alegre.
Profundamente desagradável e lamentável. Isso sim é PALHAÇADA.
Beijos

Anônimo disse...

Palhaçada essa que rendeu a uma enfermeira a perda de três dedos da mão, por conta do arremesso de um explosivo caseiro dentro de um ônibus. Até ontem eram 22 pessoas hospitalizadas (uma com um tiro na cabeça) e apenas um preso.

Mario

Ana! disse...

Quando foi que o esporte passou a embrutecer os homens?

Anônimo disse...

Eu acho que desde sempre, Ana, pois o primeiro "esporte" consistiu em lutar para sobreviver nas savanas africanas. Esporte é competição, e isso prevê um vitorioso e um derrotado. Eu acho que falta injetar um pouco de arte na veia dessa galera. Pergunta o gosto musical desse povo...
Beijo.

Mario

Anônimo disse...

Hoje vi novamente as imagens do que aconteceu no Couto Perereira... é muito triste, é inaceitável. Como o Mario dísse, o problema "é o gosto musical do povo", o nível de cultura, de educação... EDUCAÇÃO se não é tudo, é muito na vida. Sou dentista e estou atendendo um paciente de um nível que nunca apareceu em meu consultório, mora na região metropolitana, 27 anos, pobre e metido a besta. Antes de mim, foi uma única vez na vida ao dentista, extraiu 2 dentes. Dos outros 30 só 4 não tem cárie... Não tem dinheiro para o tratamento necessário, então estou fazendo o que posso, recuperando estética e função, pois penso em ajudar alguém a melhorar, para que possa conseguir um emprego melhor, ter acesso à informação, não apenas no dinheiro que este tratamento me proporciona. Eu tenho usado as técnicas estéticas mais apuradas, material de ponta (isso é caridade), está ficando lindo, algo que a primeira vista parecia impossível ser restaurado, mas ele nem liga. Pra ele estou fazendo minha obrigação, nunca falou nada positivo sobre os dentes novos, só reclama da dor que às vezes sente, mas desconsidera que é necessário tomar a medicação prescrita. Era pra ele tomar um susto quando se olhasse no espelho, tamanha a discrepância entre o antes e o depois, mas nada... eu quase cheguei a implorar por um elogio, mostrando no espelho tudo que eu tinha feito...
Comentei um uma colega e mais uma amiga que me disseram que pode nem ser por maldade, que ele não tem a mínima noção do que está acontecendo, que ele não sabe agradecer, elogiar... as atitudes dele são de uma pessoa arrogante, que se acha acima de tudo (veja, ele entende mais de medicação que eu, parou de tomar quando achou que a dose já era suficiente). Ele, piso de fábrica, eu, dentista... É a arrogância, aignorância, desse povo que gera um episódio lamentável como o de domingo.
Aqueles arruaceiros, como meu paciente, não tiveram pais presentes, não tiveram algém que lhes mostrasse o que é certo, o que é errado, que dissessem pra respeitar o próximo e seus bens. Então, acham que o ônibus tem culpa, que os carros dos outros torcedores estacionados próximos aos estádios têm culpa, que os terminais de ônibus têm culpa, que os policiais que tentaram protege o trio de arbitragem têm culpa pelo time ter tido um resultado ruim.
Acho que não há muito o que se fazer com estes homens, a não ser prendê-los para fazerem pós graduação em violência na cadeia, pois a personalidade deles não se pode mudar, como vimos na TV, onde um deles justifica o que fez, sem o mínimo arrependimento.
Precisamos sim, cadastrar as torcidas organizadas, para que pessoas como eu não tenham medo de ir ao estádio torcer pelo seu time do coração e ver um espetáculo de futebol.