sábado, 6 de março de 2010

Cantadas Ensinadas Por Revistas Femininas



Meu nome é Luciana do Rocio , moro em Curitiba ,cidade onde o clima é frio e os homens são mais gelados ainda . Por isto , nunca tive um namoro sério . Na verdade , sempre tive dificuldade para lidar com os homens e , principalmente , para se aproximar deles . Por isto , sempre recorri aos conselhos dos manuais de paqueras das revistas femininas . Mas , o problema é que na prática , estes conselhos são decepcionantes , pois , para mim , nunca deram certo e ainda por cima me fizeram pagar muitos micos . Citarei alguns exemplos abaixo :



Numa revista estava escrito , que para iniciar uma conversa com um homem , o melhor método é perguntar as horas . Então um belo dia , me aproximei de um homem , que estava no ponto de ônibus e perguntei :

- Por favor , você tem horas ?

Assim , ele fez uma cara de bravo e falou :

- Você está me achando com cara de relógio ? Deste jeito , eu fiquei quieta .



Numa outra revista estava escrito que , num restaurante , o melhor método para paquerar é ficar sentada com o seu grupo de amigas , ao lado do banheiro masculino e sempre demonstrar alegria . Então , numa lanchonete , eu e minhas amigas , sentamos próximas ao toalhete dos homens . Mas , como tenho problemas de visão e estava sem os óculos , eu sempre arrastava a mesa cada vez mais próxima ao banheiro masculino , para ver os homens passarem com mais nitidez . Só que exagerei sem querer , então , um rapaz que queria usar o toalhete , falou :

- Esta mesa está atrapalhando a passagem do banheiro . Além disto , vocês estão dando risadas demais .

Após isto , ficamos quietas .



Num outro manual de paquera , eu li que quando a mulher deseja puxar conversa com um homem desconhecido , ela deve chama – lo por um nome qualquer e inventar que ele é parecido com um velho conhecido dela , que ela não vê a muito tempo . Por exemplo : a moça vê um homem bonito num shopping . Então , ela pode se aproximar falando :

- Boa – tarde , Henrique !

Assim , o rapaz poderá falar :

- Não sou Henrique .

Mas , a moça deverá insistir :

- Você é muito parecido com um Henrique que estudou no meu colégio ...

A revista falou que , desta maneira , a mulher poderá engatar uma conversa produtiva com um homem desconhecido . Porém , tentei experimentar este método de paquera na prática e foi um fiasco . Eu estava num shopping , vi um homem bonito e falei :

- Boa – tarde , Henrique !
Então , o homem respondeu deste jeito :

- Sua louca , vê se eu tenho cara de Henrique !

Deste jeito , saí de fininho .



Numa outra revista , estava escrito que a mulher ao paquerar no ônibus deve encarar o homem pelo qual está interessada . Porém , na minha época de colégio , eu sempre pegava o mesmo ônibus e tinha um menino que achava bonito . Então , um dia eu resolvi seguir o conselho da revista e passei a viagem inteira encarando o moço . Mas , após ao descer no mesmo ponto , o rapaz veio conversar comigo , deste jeito :

- Por que você estava me encarando ?

Assim , eu respondi :

- Eu não estava encarando a sua pessoa , deve ser impressão sua .

Porém , o rapaz perguntou :

- Por acaso eu estou com a roupa suja ? - Por acaso tem doce na minha cara ?

Então , sem graça , eu falei :

- Desculpa .



Num outro manual de paquera , estava escrito : - Muitas vezes é a mulher que precisa tomar a iniciativa ... Então , uma vez , eu estava na rua e de repente um menino deu um panfleto para mim . Ao olhar para este rapaz , achei ele muito interessante . Deste jeito , eu passei várias vezes na mesma rua , para pegar o seu panfleto e principalmente para ver se ele puxava conversa comigo . Passei cinco vezes , no mesmo local , mas na sexta vez , ele me disse :

- Você não está passando demais nesta rua não ? - Você não acha que está pegando muitos panfletos meus ? - Acho melhor você não pegar mais os meus papéis , pois , as outras pessoas também precisam ler as minhas propagandas .

Aqui , precisei sair de fininho outra vez . Numa outra revista , estava escrito que os melhores ambientes para paquerar eram os “ cibers café “ e as livrarias . Então , seguindo o conselho desta revista , fui tentar alguma coisa nestes lugares . No “ ciber café “ resolvi me sentar numa fileira , onde ao meu lado , havia um rapaz numa sala de bate – papo – virtual . Como achei o moço interessante , tentei ver em que “ chat “ virtual ele se encontrava e que pseudônimo ele usava . Assim , descobri que ele estava no chat de amizades e que seu “ nick “ era Grilo Falante . Então , naquela fileira , liguei o computador do “ ciber café “ , acessei a Internet daquele local e entrei na conversa virtual , com o pseudônimo de Vidente , jogando esta conversa , na tela daquele moço : “ Vidente entra na sala virtual ... Vidente fala para Grilo Falante :

- Boa – tarde !

Grilo Falante responde para Vidente :

- Boa – tarde !

Vidente diz para Grilo Falante :

- Eu sei que você está num “ Ciber Café “ , vestindo uma calça jeans , uma camiseta vermelha e um tênis estilo Gonga .

Grilo Falante fala :

- Isto deve ser uma brincadeira .

Vidente continua :

- Você é moreno , tem cabelo comprido e usa uma mochila preta , que está no chão neste momento .

Grilo Falante diz :

- Aposto que você é algum homossexual psicopata .

Vidente responde : - Sou mulher .

Grilo Falante pergunta :

- Onde você está , neste Ciber Café ?

Vidente responde :

- Estou bem do seu lado .

“ Então , naquele momento eu vi na tela , a seguinte mensagem :

“ Grilo Falante sai da sala ... “

Após isto , o rapaz pegou sua mochila , foi até o caixa pagar pelo uso do micro e saiu correndo pela rua . Bem , após estas péssimas experiências , algumas dúvidas passam pela minha cabeça :

- Será que as cantadas de revistas femininas , realmente , não dão certo ?

- Será que eu sou feia demais ?

- Será que os curitibanos são frios muito além da conta ?

- E , com você leitor , já aconteceu algo semelhante ?







Luciana do Rocio Mallon

4 comentários:

Chris disse...

Voce parece uma pessoa muito simpatica e amavel mas, sem querer ofender, tambem muito inocente e ate um pouco ingenua. Nao sei que revistas etc. voce costuma ler, mas achei as recomendaçoes delas pra paquera muito bestas e manifestemente com pouca chance de sucesso. Alem disso, segundo o costume é quase sempre o homem que inicia a cantada e uma mulher que faz isso é suspeita, infelizmente, de ter motivos ulteriores.

Voce deixa impressao de mulher sincera e genuina e por isso lhe desejo bom sucesso na sua procura por um companheiro. So que acho melhor voce apenas ficar disponivel em qualquer lugar que seja e deixar ao homem de iniciar o contato ja que voce tem tentado fazer isso varias vezes e de varias maneiras e sempre fracassou!

Karime disse...

Lu, não para nenhuma das tuas perguntas finais. As cantadas femininas de revistas são clichês, mas existem, tu não é feia, os curitibanos não são frios e comigo nunca aconteceu algo do gênero.
Mas, falta uma coisa bem simples: tu ser tu mesma, sem se preocupar com o que os outros pensam.
;)
Isso sim, dá certo.
Beijos

Chris disse...

Com tudo respeito por Karime nao se trata de se os Curitibanos sao frios ou nao frios ou se Luciana é feia ou nao feia. Todos temos o proprio conceito do carater das pessoas em geral e da beleza de uma pessoa em particular.

Alem disso, ninguem é uma ilha isolada do resto da sociedade e, gostemos ou nao, todos nos preocupamos com o que pensam os outros, e quem diz o contrario nao esta sendo sincero, acho. Nao vivemos num vacuo.

Uma grande parte de nosso comportamento é condicionado pela sociedade da qual fazemos parte. Entao ninguem pode nao se preocupar com o que pensam os outros. O essencial pra cada pessoa é de encontrar seu modus vivendi que lhe permita se aproveitar ao maximo das oportunidades que se oferecem e aceitar com o minimo de decepçao os fracassos pra entao poder recomeçar a luta da vida. Nao ajuda nada dar conselho de nao se preocupar com o que pensam os outros porque isso leva au mau comportamento e a desconsideraçao do proximo ou pior. E nem é viavel.

Num contexto onde interagimos com muitas pessoas, nos todos nos preocupamos com o que pensam e falam de nos nossos concidadaos. Ate a escolha das roupas que vamos vestir é condicionada em grande parte pelo fato que nos preocupamos com o que pensam os outros!

absolutsubzero disse...

Lu, nasci e cresci nesta cidade e posso te dizer que não são os curitibanos que são frios e talvez você esteja forçando demais uma situação e este comportamento acaba em decepção mesmo. As revistas femininas sempre foram inúteis para mim e só leio aquelas que tem dicas de moda e maquiagem.

Cris há duas coisas diferentes, ter um comportamento moral e ético e procurar suas características individuais, como a Karime falou ''ser você mesmo''. Eu sou uma pessoa que não se veste para os outros e sim para mim e se não estou satisfeita com o que uso não tem ninguém na terra que vá me convencer que está bom. E conheço muitas pessoas assim.

Beijos Lu
Daniela