quinta-feira, 25 de março de 2010

Qual O Preço Do Seu Sonho?


Terça a noite, happy hour. Na conversa casual surge, em cinco minutos, a resolução para toda a sua vida. Você comenta um desejo, com um certo ar de nostalgia e os olhos brilhantes, tua amiga te questiona a respeito e em seguida surge a pergunta: “Por que não?” E aquilo tudo que você imaginava estar superado e enterrado toma forma novamente.

Com o tempo, o medo tomou conta de você, as decepções e dificuldades desarmaram sua estratégia e imobilizaram suas ações. Perdeu-se o foco, e seu planejamento foi por água a baixo. Aula de DRS emocional? Não. Jogo de pensamentos contrários à maré, eu diria. Você é seu próprio advogado de acusação e de defesa. Aquele seu objetivo ficou esquecido na quarta gaveta do seu armário cerebral – nas três acima estavam sua carreira, sua família e seu amor próprio – logo abaixo, da balburdia de pensamentos empilhados e duvidosos. Você simplesmente esqueceu do seu maior dom: o de ser e fazer alguém feliz.

A sua idealizada liberdade te traz isso também, eu não tinha contado? Oops, foi mal! É reflexo dos calos que acumulou em um ou mais períodos da tua vida e a possibilidade de não ter que pensar sobre um determinado assunto, te acomoda. Até que um estado de presença pleno lança a fagulha que reacende a chama quase apagada pelas gotas contínuas de realidade e explodem todas as emoções guardadas pelo tempo. Retomada a força, não haverá limites se o objetivo estiver visível, palpável, ainda que na tênue linha do horizonte.

Portanto, trace o caminho até lá. É uma reta. Esqueça as pedras, as curvas, as subidas. É uma simples reta, a menor distância entre dois pontos (ou duas almas), que vai diminuindo a cada passo dado. Não são passos largos, nem apressados. São contínuos e bem acompanhados de um olhar altivo e um sorriso freqüente.

Trace a reta e vá até lá. Ainda dá tempo de causar uma boa impressão.







Angelica Carvalho

3 comentários:

*Lu* disse...

Que fuerte gata!!!
Adorei a expressividade do post. Falou e disse.
Bjks

Anônimo disse...

Gira o mundo e a pergunta se repete: o que vc está disposto a abdicar para obter o que vc quer?... Bjs. Katia.

Karime disse...

Muito bom, Angel! Eu complementaria a idéia da Katia, perguntando: quando foi a última vez que você fez alguma coisa pela primeira vez ?