segunda-feira, 20 de abril de 2009

Tema da semana: Liberdade Antes Que Tardia

Alforria íntima


Quando soube do tema para esta semana, em homenagem a Tiradentes e tendo como tema central a liberdade, parei por alguns instantes para pensar na minha própria história. Para quem não sabe, sou portadora de uma doença chamada Transtorno Afetivo Bipolar e com grande tendência a depressão. Isso de acordo com o último psiquiatra, porém, ainda não chegaram a um diagnóstico definitivo.

É extremamente difícil para uma pessoa depressiva, bipolar, ou com qualquer outro tipo de alteração psíquica ou psicológica conviver em sociedade e não ser discriminada por se ter tal problema. A ignorância e a intolerância das pessoas aumentam a sensação de impotência, inutilidade e a frustração.

Em partes, até compreendo tais atitudes, já que na maioria das vezes, as pessoas não são bem informadas. Desconhecem a gravidade da doença, o quanto nós lutamos diariamente, o quanto sofremos por causa dela e as dificuldades que encontramos durante o percurso do tratamento. As recaídas, o troca-troca de medicação, os efeitos colaterais...

A dor do abandono, a solidão, a tristeza chegam de uma forma tão intensa que literalmente, sentimos que estão nos rasgando por dentro. Nestes momentos chego à conclusão de que a única forma de acabar com essa desolação é deixar de viver. Eu mesma, muitas vezes, no auge do desespero, penso em dar um fim a minha patética vida.

Sinto-me enforcada pela tristeza, e mais ainda por não ter forças para sequer usar uma máscara que me permita conviver decentemente em um mundo cheio de pessoas individualistas e egocêntricas.

Eu ainda não estou curada, não consegui me libertar desta doença, destas algemas mentais que não me deixam ser uma pessoa plenamente feliz. Mas não vou ficar parada e deixar a depressão me dominar de novo. Não vou me entregar facilmente. Não me conformarei com a triste realidade que vivo. Não voltarei para o fundo do poço. Vou lutar. Sei que é uma luta árdua, sem trégua. Não sei quando chegará o fim desta guerra, mas jamais desistirei da minha felicidade e do sonho de ser LIVRE!


Camila Souza

9 comentários:

Anônimo disse...

Mila, eu acho que todo mundo, com mnaior ou menor grau, é bipolar. Eu mesmo sou bipolar por natureza, pois sou geminiano. Todo mundo tem seus altos e baixos, o importante é estar ciente dos baixos quando se está nos altos e vice-versa.
Beijo.

Mario

Anônimo disse...

Parabens pelo post Camila e por não ter medo de expor seu problema e nos contar um pouco do momento que vc viveu ou ainda vive . passo por algo parecido, tenho meus altos e baixos , tentando cada dia me levantar e seguir em frente, a Depressão ja me pegou varias vezes, mas fui mais forte que ela e consegui vencer e continuarei vencendo cada vez que ela insistir em voltar!!!
solidão oh solidão so nos sabemos o que essa palavra significa não é?? então quando essa solidão bater e essa depressão insistir em voltar, saibas que tem alguem aqui com uma palavra amiga ou ate mesmo pra te escutar..
bju

* Cá * disse...

Mário, é verdade; eu tento, mas nem sempre consigo prestar atenção neste importantíssimo detalhe, principalmente nos momentos de euforia.

E com relação a ser geminiano, bem, uma vez ouvir falar que estes costumam ser duas caras. Se eu não te conhecesse... rs ;-)

Beijos!

Anônimo disse...

Camila, repito que Mario disse. Todo mundo tem em menos ou maior grau. (Eu acho quee não tenho mas as vezes possuo uns altos e baixos animais rs)

beijos

Bianca

Anônimo disse...

menor*


Bianca

Anônimo disse...

Camila :
Parabéns pelo texto .
Você soube expressar com sensibilidade e realidade o que uma pessoa com este tipo de problema sente .
Tenha um excelente feriado !
Com carinho ,
Luciana do Rocio .

Anônimo disse...

Mila, eu também adorei o seu texto.Vc escreve mto bem, devia fazer isso sempre. Realmente as pessoas não nos entendem, só nós que passamos pelo mesmo problema sabemos como é essa dor.
Beijo e apareça mais na comunidade!
Jacque

day disse...

parabéns pela coragem!

Anônimo disse...

Realmente Camila é muito dificil, porém, é dificil também olhando isso por outro foco, qndo se foi vitima, uma vez que vc ofereceu todas as ferramentas para ajudar alguém que estava nessa situação...
Achei muito nobre da sua parte, ao passo que assumir é parte da "cura"...
Estou certa que agora, terá mais pessoas dispostas a te ajudar nisso...
Fica mais fácil ajudar qndo sabemos cmo o que, estamos lidando...
Qndo alguém não for capaz...não pense que foi egoísmo ou coisa parecida...todos temos nossas limitações...e jugando-o vc está fazendo o que fazem com vc...
Diante disso, vc e eu sabemos exatamente o que sentir...
Beijokas linda...
Maria

Adorei seu texto...suas colocações...repito, deveria escrever mais...