sexta-feira, 30 de maio de 2008

Histeria tem cura...

"Histérica, histérica
Talvez por devoção ou psicose ou piração
Histérica, histérica
Talvez por caos urbano, Frank Zappa, Caetano
Histérica, histérica, histérica
Acendo um cigarro pelo filtro e depois
Sorrio de nervoso procurando um algoz
E ando como quem tivesse um compromisso
Mas eu não tenho e vou correndo
E berro, e fumo, e grito e tal (...)”


Quando escuto algo sobre histeria automaticamente lembro dessa canção do Oswaldo Montenegro, que sempre tocava no toca-fitas do carro do meu pai. Não sei porque, mas, eu adorava a letra (aff!). Para os psicólogos (ou psicanalistas?) a histeria é uma doença causada pela recusa do desejo sexual. Ou seja, todo desejo sexual que você reprime pode virar um trauma e se manifestar de diversas formas, que vão de alterações motoras a crises epilépticas e alucinações.

Acredite ou não, o vibrador foi inventado por causa da histeria há mais de um século atrás por um doutor chamado Joseph Mortimer Granville. E você sabe por quê?

Imagine um cenário bucólico. Fim do século XIX. Donzelas procuravam médicos para se queixar de insônia, ansiedade, irritabilidade, nervosismo e fantasias eróticas, ou seja, histeria. Os doutores da época, depois de inúmeras tentativas de tratamento, descobriram que a estimulação do clitóris, com os dedos das mãos, fazia com que as pacientes apresentassem uma melhora considerável. Assim, as pacientes voltavam regularmente para dar continuidade ao tratamento. O problema foi que os médicos estavam ficando com os dedos gastos e cansados (há-há-há) de massagear tanto clitóris, e perceberam que precisavam de substitutos mecânicos para os seus dedinhos mágicos. Inúmeros objetos foram criados sem sucesso, até que o doutor britânico Joseph Mortimer Granville conseguiu a proeza (para alegria das histéricas).

Com o acesso aos aparelhos elétricos os médicos começaram a perder suas pacientes que preferiam se auto medicar em casa. Dá pra acreditar? Médicos masturbando pacientes?

O vibrador perdeu popularidade na década de 1920, com a chegada de alguns filmes pornográficos que usavam o “remedinho” para a prática de sacanagem.

Se alguém aí quiser se aprofundar na história do vibrador, seguem algumas sugestões que usei como fonte de pesquisa:

http://deusario.com/2008/02/histeria-feminina-e-o-surgimento-do-vibrador.html
http://www.seattleweekly.com/2002-11-27/news/sex-techs.php
http://www.tbd.com/content/article/basic_article.article:::love_life_history_vibrators

Confira também algumas imagens dos primeiros vibradores e de anúncios da época no link: http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=1544




Mônica Wojciechowski

4 comentários:

Verônica disse...

Fantástico Mô!! O pior não foi: "Médicos masturbando pacientes?", mas sim eles terem que inventar algo para não fazerem mais isso.
Dá para entender?
beijos
Verô

Josiany disse...

hhahahaha adorei!

Anônimo disse...

Valeeeuuuu Mopi. Ainda bem que vivemos no dias de hj, vcs viram as fotos dos vibradores antigos?? Que medo! rs Mazé

Anônimo disse...

As fotos dos vibradores antigos fazem a gente se admirar com as mulheres de outrora: isso sim é coragem, nos dias de hoje elas utilizariam um multiprocessador na boa.
O lance dos médicos tentarem a invenção do vibrador vem do fato de que nem todas as histéricas eram lá uma Michelle Pfeifer, né. Senão, passariam o resto dos seus dias dando tratamento de graça.
Interessantíssima a pesquisa, Mopi, quem diria que vibradores são coisa séria...
Beijo.

Charlie