quinta-feira, 31 de julho de 2008

Eu me amo e você odeia



Nada contra os costumeiros “ditados populares”. – Sua inveja faz a minha fama. Este dito vai de encontro às diferenças que dão as cores ao mundo. O que seria das morenas roliças se não fossem as loiras albinas? O que uma tem de melhor ou de maior do que a outra? Digo. Nada. Mas tudo a favor de um bom comentário contra. – Olha lá, a bunda dela parece ser achatada. (e nem percebe que seu comentário destina as atenções do grupo, inclusive do seu marido a nádega mais do que perfeita da colega).
Veja “coitada” daquela moça. Tem os olhos tão azuis que nunca pode sair ao vento sem usar óculos escuros. Pra que ter olhos claros se tem que se esconder por detrás de lentes negras. (e mais uma vez o foco é concentrado na “rival” odiada).
ODIAR, que palavra estranha. Senti-me mal em escrevê-la agora. Apesar de saber que os opostos se complementam e de que amar é uma delícia (Amo muito na vida. Desde uma brisa matinal, até um bom salão de beleza ou um belisco em um pedacinho de chocolate amargo), não sei se eu tenho capacidade para odiar. Por mais que receba uma maldade gratuita, destas “criaturas” que amam se vingar (outra palavra feiosa) fazendo baixeza e mesquinharias com o colega. Não tenho capacidade de odiar. De sentir tal sentimento, de ter prazer em “chutar cachorro morto”. O cara já ta lá mal, ferrado, para que espezinhar mais. Medíocre isso. Parece-me comportamento de quem ainda não cresceu. Mas... Acho que me perdi, vamos voltar ao tema. Hehe!
Emanar luz e consequentemente ofusca os olhos alheios. Sempre me destaquei, desde pequena. Do colégio a natação. Da escola de inglês a vizinhança. Vez ou outra como campeã de nado sincronizado, colhendo elogios e medalhas. Vez em quando namorando o “bam bam bam” do colégio, adquirindo olhares invejosos por onde passava. Até aqui no blog, apesar de saber que ainda tenho muito que aprender e que nem sempre tenho tempo de me dedicar ao meu post, fiquei surpresa ao saber recentemente que o texto mais lido foi um dos meus.
Hoje sou empresária da comunicação, estou prestes a abrir filial da minha empresa em uma metrópole, tenho um namorado enlouquecidamente apaixonado por mim, cuido muito da minha alimentação e faço frequentemente exercícios o que deixa minha ferramenta desejada por muitos. Gosto de ler, de escrever e volta e meia passo por desaforada. Não só ás quintas, mas pelas quebradas da vida e me orgulho muito disso. Portanto, pode falar. Pois sem perceber você só me ajuda. Você faz a minha fama despertando curiosidade nos outros a meu favor Hehe...


Verônica Pacheco

8 comentários:

Anônimo disse...

Realmente você tem razão! Você se ama e eu te odeio. Nunca te vi na vida mas pelo sue texto eita mulher que se acha. Com certeza você já levou muitos chifres na vida e arrumou muitas inimizades a toa por se achar a toda poderosa e gostosona. Uma dica: a perfeição enjôa e o ego elevado é coisa de tratamento psicológico pois uma coisa é se amar e outra e esse super exagero que você tem. Juro que NUNCA mais leio este blog nas quintas-feiras

Ana Paula de Andrade

Cigano, o amigo de Mário "Charlie" Lopes disse...

Caramba, quanto ódio no pobre coraçãozinho da Ana Paula de Andrade hohoho.
Eu gostei do post, juro que quinta-feira lerei o blog novamente ;)

Isabel disse...

Adorei! nada como ler algo que seja a realidade dela e o que ela sente.
Juro que tbm irei ler o bog na quinta feira. rsrsrs

Verônica disse...

Hehe... FANTÁSTICO Ana Paula Andrade. Você veio para comprovar minha teoria. Obrigada!
***
Cigano e Bebel, valeu pelo carinho! JURO que amei isso.
bjs
Verô

Digão Duarte disse...

Ma pra que tudo isso, Ana Paula de Andrade? (desculpa chamar pelo nome completo, parece coisa de mãe bronqueando com filho que fez travessura). OK, é nítido que o parágrafo final deste post está bem auto promocional. Para quem não conhece a Verônica (não tenho certeza se você se enquadra nesse grupo) pode soar esnobe mesmo, até porque ela não cita obstáculos que teve que superar para chegar onde chegou -ou tá pensando que a vida dela foi só mar de rosas? Como a conheço, minha leitura é outra, do amigo que sente orgulho da amiga que batalhou muito para chegar num patamar (aqui comprovadamente) invejável. Este caráter pessoal conta muito nos blogs. Aliás, nunca sei quando blogueiro está escrevendo para amigos ou para o público em geral. Em tempo: Sinceramente, não entendo o espírito competitivo das mulheres. Em especial quanto à aparência. Claro que a beleza (seja ela natural ou artificial, vai do gosto de cada um) conta, mas o conteúdo é o que mais importa.

Verônica disse...

Quem tem amigos tem tudo na vida! Digão querido, vc não tem idéia do quanto o reconhecimento de um editor como vc me abastece de gás pra enfrentar as lombadas da vida.
Grande beijo
Verô

Anônimo disse...

Rararararaara...Ai, Verônica...
Uma coisa temos de admitir, vc é mesmo uma grande desaforada..rs
Beijo. Mazé

Verônica disse...

Ué? A idéia não é essa?
beijo
Verô