segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Tema da semana: Brincadeiras

Cuidado antes de brincar


Compartilhar o humor. para mim, parece ser o estágio mais avançado de uma relação de intimidade. Se você viajar pelo mundo e ouvir as diferentes piadas que as pessoas fazem sobre as condições políticas e econômicas de seu países vai compreender mais sobre esse país do que se estivesse estudado a história.
A piada diz tudo da relação que o indivíduo tem com o mundo. É um convite para ver a vida por um ângulo particular, por um filtro especial, que recria o lugar das coisas e permite uma leveza de viver. A reflexão sobre a vida acontece distraidamente, enquanto você está “cagando” de rir, se divertindo.
Existem momentos para cada tipo de humor e cada tipo de brincadeira. Claro, isso no universo adulto, porque para a criança o brincar pode ser, facilmente, como um caixa eletrônico 30 horas. Elas esbarram nos limites umas das outras e seguem em frente com naturalidade.
Brincar é não romper com a infância, não perder a curiosidade de olhar para a vida como se fosse a primeira vez.
Mas como a subjetividade do brincar é construída a partir das relações de uma pessoa com outras, pode ser que, por vezes, essa construção imagética comum a determinadas pessoas seja mal compreendida, interpretada como ofensa por outras. Quando a pessoa não percebe com quem está brincando perde a oportunidade de conhecer o humor profundo “do outro” e pode esbarrar com todos os mecanismos de defesa que ficam na superfície.
A criança que não brinca não se prepara para o mundo. Brincar antes de tudo é praticar viver com outros, com as diferenças com a diversidade.
Mas tem que ter cuidado, antes de brincar é preciso enxergar. Olhar dentro, conhecer aquele outro ser humano. Esse conhecimento pode durar segundos ou a vida inteira. E, tenha certeza, se você conseguiu enxergar o outro com clareza, é porque já sabe muito bem quem você é. Portanto brinque muito porque pode se perder tudo nessa vida, menos o bom humor!





Patrícia Ermel

2 comentários:

Anônimo disse...

Isso aí, Patrícia, vamos levar a brincadeira a sério. Rir a dois, mesmo (ou principalmente) nas situações de stress pode ser muito mais maduro do que discutir a relação.
Beijo.

Mario

Camila disse...

Guto, discutir a relação pode ser saudável sim - depende da forma como se discute. rs

Patrícia, de fato, o bom humor é a melhor saída para nos aliviar do stress diário. Afinal de contas, se levarmos tudo a ferro e fogo, vamos viver doentes.
Beijos.