quinta-feira, 25 de junho de 2009

Atração a 160 km


Sou nova neste blog e ainda não publiquei nenhum texto aqui. Ou seja, é minha estreia (com muito orgulho). E, para debutar, resolvi tocar em um assunto que ainda não vi contemplado em nenhum dos posts. Ou melhor, até já vi, só que sem uma abordagem de relato pessoal, isto é, sem um depoimento real. Muitas das colunistas daqui falaram sobre amor e sexo, mas tudo tangível, palpável, tudo ao alcance das mãos e dos lábios. Mas quero compartilhar a minha história com vocês, a qual é bem recente, tendo pouco mais de um mês desde seu início, e que vai para um campo um tanto etéreo, volátil. Estou falando de envolvimento virtual, de affair com alguém que mora a 160 km de distância.

Comecei por um mero acaso, em contato via MSN sem a mínima pretensão de tomar a proporção que tomou. Era, a princípio, para ser apenas uma nova amizade. Mas, como diria aquela música do Peninha, tudo “foi crescendo, crescendo e me absorvendo”. Não vou entrar em detalhes aqui. Apenas relatar, por cima, o que se passou e o dilema que isso me gerou. Nossas ferramentas de contato são as teclas do computador. Nossas bocas e ouvidos exercitamos via-celular. E nossos olhos são a webcam (dele porque eu ainda não tenho a minha). Também nos comunicamos por fotos, mas não vem ao caso. O fato é que, da primeira vez em que nos falamos por telefone, parecia que nos conhecíamos há séculos. E tudo foi tão rápido que já nos tornamos íntimos na primeira semana. Nossos canais de relacionamento são meramente tecnológicos, e usamos mais palavras do que qualquer outro recurso em nossos contatos – nunca nos tocamos e é estranho como conseguimos “estimular” um ao outro dessa forma tão intensa. Até quando eu estou no banho a gente se conversa.

Na verdade, tive uma idéia interessante para relatar o que aconteceu e o que está acontecendo – o formato de entrevista. E o entrevistador, adivinha, pedi para ser o próprio homem dos 160 km de distância. Ele topou. Sendo assim, entrei no MSN com ele e disse para me perguntar tudo o que quisesse. O resultado da entrevista publicaríamos aqui no blog. E deixaríamos no ar a questão: será que eu saio do plano virtual e visito essa figura? Quase fui até ele em dois finais de semana, mas hesitei. Continuo no dilema. Acho que a entrevista e o meu relato servirão como reflexão sobre essa atração platônica, via web, que tirou nós dois do prumo da noite para o dia. Aqui vai o bate-papo:

CARA A 160 KM diz:
Você esperava, no começo, que fosse acontecer essa atração mútua?
Adriana Lopes diz:
Não, claro que não.
CARA A 160 KM diz:
E o que você acha que gerou isso?
Adriana Lopes diz:
O jeito sedutor.
CARA A 160 KM diz:
Mas como você acha que alguém pode usar de sedução estando a 160 km de distância? Não seria bem mais fácil se fosse pessoalmente?
Adriana Lopes diz:
Estando a distância, tem todo esse jogo de sedução, palavras escritas, conversas pelo celular, a voz que me encanta, essas coisas, e dá asas à imaginação.
CARA A 160 KM diz:
Houve algum momento em que você se sentiu mais fisgada neste jogo?
Adriana Lopes diz:
Sim, houve.
CARA A 160 KM diz:
Qual?
Adriana Lopes diz:
Foi justamente quando ouvi sua voz, quando me ligou da primeira vez.
CARA A 160 KM diz:
E por que isso? Pelo tom de voz? Pelo que foi dito?
Adriana Lopes diz:
Pelo tom da voz.
CARA A 160 KM diz:
Mas não foi dito nada de excitante na ocasião, foi?
Adriana Lopes diz:
Não, nada mesmo.
CARA A 160 KM diz:
E a experiência do chuveiro, você tem coragem de relatar?
Adriana Lopes diz:
Ah, não né. Só posso dizer que foi como se eu já o conhecesse e tivesse você lá comigo, falando aquelas coisas ao pé do meu ouvido.
CARA A 160 KM diz:
Acha melhor quando conversamos por telefone ou por msn?
Adriana Lopes diz:
Os dois, porque por msn te vejo na cam, e por telefone porque ouço sua voz
CARA A 160 KM diz:
Você tem medo de me encontrar pessoalmente?
Adriana Lopes diz:
Medo acho que não. Eu tenho muita vontade de te ver, e ao mesmo tempo uma auto-proteção no sentido da decepção: vai que eu não sou o que você imagina ou, vai que você é exatamente o que eu imagino. Daí ferrô, meu lindo. rs
CARA A 160 KM diz:
Por quê? Você tem medo de se apaixonar?
Adriana Lopes diz:
Tenho, claro.
CARA A 160 KM diz:
E acha que isso será ruim?
Adriana Lopes diz:
Não ruim, mas e a reciprocidade disso tudo?
CARA A 160 KM diz:
E não está havendo reciprocidade?
Adriana Lopes diz:
Até onde estamos, sim.
CARA A 160 KM diz:
Que bom. Mas você não acha que eu corro os mesmos riscos que você?
Adriana Lopes diz:
Sim, mas e você tem medo disso?
CARA A 160 KM diz:
Não. Eu deixo rolar. Você já viu que eu não tenho medo de me aventurar, né?
Adriana Lopes diz:
Já vi, sim.
CARA A 160 KM diz:
Você não tem medo de que eu seja um psicopata ou algo do gênero?
Adriana Lopes diz:
Pensei nisso, sim.
CARA A 160 KM diz:
hahahahahahahahahahaahhaahahahahahha
Tipo um maníaco sexual?
Adriana Lopes diz:
Sim.
CARA A 160 KM diz:
Você acha que o que nos atrai é meramente tesão?
Adriana Lopes diz:
Ainda não sei.
CARA A 160 KM diz:
Há algo entre nós que para você seja motivo de repulsa?
Adriana Lopes diz:
Creio que não.
CARA A 160 KM diz:
Você acha que será tímida comigo ao vivo?
Adriana Lopes diz:
Acho que não.
Você já chegou a sonhar com este encontro?
Adriana Lopes diz:
Literalmente em sonho não, mas imagino esse encontro de várias maneiras, imagino cenas e detalhes de nós dois.
CARA A 160 KM diz:
Como por exemplo...
Adriana Lopes diz:
Como o nosso primeiro beijo, nossos olhares, o que sentirei, o que causarei em você... também penso que ao te ver terei aquela coisa de pele, entende?
CARA A 160 KM diz:
E depois que rolar esse encontro, você vai narrá-lo no blog?
Adriana Lopes diz:
Quem sabe...

Continua?...

Adriana Lopes com a colaboração de alguém a 160 km

4 comentários:

Anônimo disse...

Adriana, tem um título de um filme que ilustra um pouco disso que você narrou no post: "Nunca Te Vi Sempre Te Amei". Talvaz não case com a tua história, porque você o vê pela webcam, mas é mais para mostrar que o cinema já trata do assunto há um bom tempo, pois esse filme surgiu bem antes da era da web, com um homem e uma mulher que se correspondiam por carta. Então, essa atração a 160 km é natural. Depois conta pra gente a continuidade. ;-)
Beijo e parabéns pela estreia.

Mario

Anônimo disse...

Sorte sua que vc só está a 160km, pq eu estou a 2.500km e depois de mais de um ano nos conhecemos pessoalmente, e te digo uma coisa, vale a pena viu, foi muito mágico e estamos até hoje mas proximos do que nunca, mas ainda a 2.500km!
PArabens pelo texto!
Abraços e sorte no encontro se ele se realizar!

Jaque

Camila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Camila disse...

Minha opinião?
Tem vontade? Então vá em frente e curta o momento. Não se deixe levar pelo medo ou insegurança. Mas, claro, não esqueça de tomar suas precauções.
Sim, é fácil falar, mas difícil é passar vontade. Porque depois vêm o arrependimento e os questionamentos do tipo - "ah, eu devia ter ido"... ou então: "e se eu tivesse ido"... vai por mim.
Beijos!