quinta-feira, 17 de junho de 2010

Resiliência


Me peguei pensando sobre minha vida e nas coisas que realizei, no que poderei realizar, nas dificuldades que passei e que todos passamos todos os dias e, em uma conversa com um amigo, surgiu a palavra resiliência. Curiosa palavra que tem um siginificado,mas várias vertentes. E eu tentei me encaixar em pelo menos uma delas e fui ao dicionário procurar em qual. Então comecei uma autoanálise para recordar quem eu sou e assim ter um ponto de partida.
Em um breve resumo – mas breve mesmo porque com 36 anos muita água já passou debaixo dessa ponte - eu lembrei que era boa em português, mas era aluna mediana, lia pouco. Peguei o gosto pela escrita devido a minha imaginação fértil, típica do mundo de fantasias do sagitariano e se minhas redações eram boas, achei que um dia poderia escrever muito melhor. E fui fazer um curso na área de humanas, me tornando uma boa radatora, uma redatora mediana, ter que trabalhar me impossibilitava de exercer minha vocação, se é que me entendem.
Saí da cidade, tive uma vida mal planejada que resultou em uma volta apressada, me descobri dona de casa com dois filhos quando menos esperava. Passado algum tempo, eu descobri que muitas coisas que eu não tinha feito, eu ainda poderia fazer, se parasse de colocar desculpas no que eu não podia ser. E então, meti o pé em tudo, acabei um casamento, comecei a estudar de novo, comecei uma nova vida, passei por difíceis provas, chorei, sofri, não lembrava mais o que era ler um bom livro, o que era escrever um bom texto. Depois superei tudo isso, comecei em um bom trabalho, fiz novas amizades, conheci outros lados da vida, comecei e recomecei várias vezes e finalmente descobri: sou uma pessoa resiliente.
Resiliência é uma palavra que a psicologia tomou emprestada da física e pode ser definida como a capacidade do indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas, como choque ou estresse, sem entrar em surto psicótico. Tá,tudo bem, eu sou um pouco surtadinha às vezes, mas estamos falando de grandes surtos, ok? Job (2003), estudou a resiliência em grandes empresas e diz que se trata de uma tomada de decisão entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer ao se deparar com um contexto de pressão, ou seja, tais conquistas face essas decisões propiciam forças para que a pessoa enfrente a adversidade. Na natureza, é aquela plantinha que insiste em crescer no meio do lixo e que por mais sufocada que pareça estar, retira do solo somente o que precisa para crescer e, mesmo cercada por podridão, transforma-se em uma linda flor – que eu quero me tornar um dia. Na real, é um exercício de superação.
Posso falar de resiliência organizacional, psicológica, ambiental, natural, o significado geral é: capacidade de superar o distúrbio imposto por um fenômeno externo, ou seja, o que você teoricamente não pode controlar.
Em minha modesta opinião, acredito no acreditar. Meus esforços se concentram na convicção de que posso controlar meu destino e que depende de mim chegar ao que desejo. Ok, já quebrei a cara pensando assim e se existe predestinação, então posso estar errada e talvez tenha que recomeçar tudo de novo. Mas tá, e daí? Já recomecei tantas vezes, mais uma será só mais uma e além do mais se estou aqui contando tudo isso é sinal de que resiliência não mata, ajuda a viver.
Ou não né, você pode ficar aí se lamentando o resto da sua pobre e triste vida e como diz um personagem do cinema, famoso por punir pessoas que não dão valor às suas vidas: “This is your choice”.

Angelica Carvalho

Um comentário:

Ana! disse...

Que todos sejamos resilientes.

=)